Olá,

Uma  entrevista profética e arrepiante do 60 Minutes com Michael Jackson, que foi ao ar pela primeira vez na televisão em 1987, ressurgiu na semana passada.

Remaining silent: Michael's manager Frank DiLeo (right) interrupted the interview in Tokyo in 1987 when interviewer Molly Meldrum asked about the bizarre headlines surrounding the pop star at the time

O falecido Rei do Pop, então com 29 anos, foi entrevistado pelo jornalista musical Molly Meldrum para o principal programa de assuntos atuais do Canal Nine.

Na época, ele era o assunto de inúmeras manchetes bizarras e nenhum assunto foi deixado para trás – desde a fixação do cantor com cirurgia plástica até as alegações de pedofilia.

A entrevista aconteceu em um quarto de hotel em Tóquio em 1987, durante a Bad World Tour de Michael Jackson.

Michael Jackson escolheu o radialista veterano Molly Meldrum para entrevistá-lo para sua primeira grande entrevista na televisão daquela década.

Vestido com uma camisa vermelha, jaqueta de time de futebol americano e escondendo o olhar dele atrás de óculos de sol, o cantor de ‘Thriller’ se juntou ao seu gerente de longa data, Frank DiLeo.

Molly mergulhou diretamente nas questões difíceis, incluindo as alegações dos tabloides que cercavam Michael Jackson na época – como alegações de abuso sexual infantil.

Michael Jackson mais tarde foi a julgamento em 2005, após acusações de Gavin Arvizo, um menino de 13 anos que o artista fez amizade e convidou para seu rancho Neverland.

Michael Jackson foi indiciado com acusações de molestar um menor, intoxicar uma menor, tentativa de molestar crianças, conspirar para manter o garoto cativo, bem como conspirar para cometer extorsão e rapto de crianças.

Em 13 de junho de 2005, o júri proferiu um veredicto de inocência em todas as 14 acusações.

Quando perguntado por Molly na entrevista de 1987 sobre se as alegações feitas sobre ele na época eram verdadeiras, Michael Jackson fez uma pausa antes que seu empresário Frank interferisse.

“Vou responder a essa pergunta, se você não se importar”, disse Frank‘Dói-me e se me dói, sei que dói Michael. Ele é um pouco mais blasé sobre isso do que eu. Ele simplesmente dá os ombros. Mas acho muito terrível algumas das coisas que estão escritas.”

No entanto, Michael estava prestes a discutir como usaria disfarces para entrar nos cinemas.

“Eu gosto de entrar nos cinemas sem ser notado às vezes”, confesso Michael Jackson. “Eu tenho disfarces incríveis. Eu posso enganar minha própria mãe e gosto de fazer isso porque eu vejo a vida como ela realmente é.”

Michael Jackson passou a revelar seu “amor” pelas crianças e animais.

“Eu amo crianças e animais e Quincy [Jones, produtor musical] e Frank [seu empresário] e é isso que é maravilhoso em viajar. Eu vejo todas as culturas, as pessoas e as crianças, é maravilhoso ”, disse ele.

Michael Jackson acrescentou que seu único desejo é a paz mundial e tornar o mundo um lugar melhor.

“Um dos principais [objetivos] seria tão simples quanto tornar o mundo inteiro feliz e em paz mundial, e isso é parte da razão pela qual eu faço o que faço”, disse Michael Jackson.

As filmagens ressurgiram on-line recentemente, depois de serem postadas no YouTube por 60 Minutes, logo atraindo milhares de visualizações.

Michael Jackson morreu em junho de 2009 de parada cardíaca em sua casa em Los Angeles. Ele tinha 50 anos.

Ele deixou para trás um incrível legado musical, bem como seus três filhos pequenos – a filha Paris e os filhos Prince e Blanket.

Michael Jackson sempre acreditou que o amor poderia mudar o mundo, até poderia se não houvesse tanta gente cruel, maldosa e ruim de coração.

Acreditou nas pessoas erradas e interesseiras achando que seria as corretas.

Lyllyan

Fonte: Daily Mail