‘Fiz apenas o meu dever’, diz ex-PM que derrubou mulher em banco


Olá,

O ex-policial militar Luiz Fabiano de Aquino, de 36 anos, disse não se arrepender de ter retirado à força uma mulher da porta de uma agência bancária na Vila Olímpia, bairro da Zona Sul de São Paulo. “Não bate arrependimento até hoje. Tenho a certeza de que cumpri o meu dever”, afirmou ao G1 na noite desta segunda-feira (4).

PM puxou com força a médica em agência na Vila Olímpia (Foto: Reprodução/YouTube)

O caso aconteceu em 1º de agosto do ano passado, mas ganhou notoriedade nesta semana após um vídeo sobre a ocorrência cair nas redes sociais. As imagens mostram o então soldado conversando com a médica Claudia Moss na entrada da agência. Após discutir com a mulher, ele a puxa com as duas mãos. A médica perde o equilíbrio e cai no chão, mas se levanta e tenta novamente ir ao interior do banco. Em meio à gritaria de outros clientes, o policial impede sua entrada e ela é retirada de lá. “Senhora, eu posso usar de força para tirar. Eu te chamei dez vezes”, afirmou Aquino na gravação.

A mulher acionou a PM após a porta giratória do banco bloquear sua entrada. Claudia disse, no Facebook, que os armários na entrada estavam “lotados ou quebrados” e que seguiu a orientação do segurança. “Retornei três vezes à linha amarela. Despejei o conteúdo da bolsa no chão, expliquei o motivo de eu ter ido ao banco”, afirmou. “E, como me recusasse a sair do banco, fui arrastada e jogada com violência contra a parede de vidro, caindo ao chão. Enfim. Hematomas por todo lado e o brio no chão.”

Aquino afirma que agiu pelo bem dos outros clientes que estavam no banco. Ele diz que a médica cometeu um crime, já que, segundo seu relato, estava havia mais de meia-hora parada na porta. “No momento em que está na porta giratória, está impedindo o direito de ir e vir de quem estava dentro daquela agência.”

Com pouco mais de três minutos, o vídeo não mostra o começo da conversa, que, segundo o ex-PM, foi pacífico. “Eu chamei ela de senhora, tentei tirá-la da porta de forma educada, por mais de dez minutos.” Depois de ordenar que ela saísse, a mulher, segundo ele, cometeu um segundo crime: desobediência.

Aquino afirma que a maneira como ela caiu no chão foi acidental. Ele diz que Claudia resistia a ser retirada e, por isso, precisou puxá-la com força. “Ela efetuava força contrária à minha. Quando efetuei a força, ela ficou muito mais leve do que quando estava no interior da porta giratória. Minha mão direita perdeu o contato com a blusa dela.”

Ele acrescentou que todo PM deve utilizar os meios necessários para fazer com que a lei seja cumprida. “O policial deve escalonar a forma de atuar, da forma mais branda para a forma mais forte. Primeiro grau é a presença policial. O segundo grau é a verbalização. Já o terceiro grau é o contato físico. Foi até onde chegou.”

Exoneração

A PM, porém, disse discordar da forma como o então soldado agiu. “A conduta do policial militar é inadmissível”, disse em nota a corporação. “O policial militar que aparece na filmagem foi exonerado.”

“O PM agressor de mulheres só parou quando os homens que se encontravam por lá vieram em minha defesa. É uma vergonha” diz Claudia Moss, mulher que foi agredida

A exoneração ocorreu em 22 de outubro do ano passado, segundo o Diário Oficial do estado. Aquino acrescenta, porém, que a saída nada tem a ver com o que aconteceu em agosto passado.

“Aquela foi minha última ocorrência na PM. No dia seguinte, tirei licença prêmio de 90 dias e, depois, pedi para sair. Após 12 anos de polícia.” Ele atualmente trabalha em um ramo não ligado ao setor de segurança.

Ao ser questionado se arrepende-se de ter usado a força para retirar a mulher, respondeu: “Não bate arrependimento até hoje. Tenho a certeza de que cumpri o meu dever”.

O G1 procurou Claudia para comentar o caso, mas ela não foi localizada. Parentes ouvidos pela equipe de reportagem disseram que a médica estava viajando. Em sua página no Facebook, porém, ela comentou que ficou revoltada. “O PM agressor de mulheres só parou quando os homens que se encontravam por lá vieram em minha defesa. É uma vergonha.”

Assim como qualquer profissão existe os profissionais despreparados com este.

No lugar desta médica, teria processado Banco, Estado, Polícia, Policial e até mesmo aberto uma ocorrência na delegacia de Mulheres.

Ainda bem que foi exonerado.

Fonte: G1

Anúncios
  1. Absurdo !!!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: