Olá,

Nunca vi ninguém realizar protestos para quebrar os radares e nem nunca vi bandidos realizarem chacina de radares, porque será?

A Prefeitura de São Paulo irá intensificar a fiscalização contra as motos nas marginais Tietê e Pinheiros com a volta do radar pistola a partir desta quinta-feira (10). Serão dez radares móveis que irão flagrar motociclistas em alta velocidade após a implantação da velocidade máxima nas marginais no dia 20 de julho deste ano.

Aparelho registra imagem de motocicleta que excede limite de velocidade (Foto: Apu Gomes/Folhapress)

“Nós vamos retomar a fiscalização pelo radar pistola que fica na mão do agente de trânsito. Inclusive a recomendação que eu dei para o Tatto  [secretário de Transportes] é que ele use a Guarda Civil Metropolitana pra esse fim também para proteger a vida do motociclista, que é a segunda maior vítima do trânsito de São Paulo”, afirmou o prefeito Fernando Haddad (PT), na semana passada. O pedestre é a maior vítima do trânsito na capital paulista.


Os radares pistola serão utilizados em 38 pontos nas duas vias. Desde o final de agosto, agentes da GCM estão em treinamento para operar manualmente os medidores portáteis. A guarda fiscalizará os limites de velocidade de acordo um uma logística preparada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), utilizando cinco radares em cada uma das marginais.

O aditivo contratual dos radares já foi realizado e os aparelhos estão em fase de testes.
Anteriormente, os radares pistola eram usados somente para multar o motociclista que trafegava pela pista expressa da Marginal Tietê, o que é proibido. Agora os radares irão fiscalizar a velocidade das motos nas pistas local, central e expressa.

Atualmente, pouco mais da metade dos radares instalado nas marginais é capaz de identificar a placa das motos, que está localizada na parte traseira do veículo.

De acordo com a CET ( Companhia de Engenharia de Tráfego), dos 33 pontos fiscalizados por equipamentos fixos na Marginal Tietê, apenas 16 capturam a placa traseira. Já na Marginal Pinheiros, dos 32 locais fiscalizados por radares fixos, 23 também flagram motos. Ao todo são 80 radares nas marginais e 26 não registram a velocidade das motos.

Acidentes

O número de acidentes com mortos e feridos caiu 27% após seis semanas de redução de velocidade nas marginais Pinheiros e Tietê. Foram 159 em 2014, contra 116 neste ano. O dado é da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e compara acidentes ocorridos no mesmo período do ano passado (20 de julho a 30 de agosto de 2015 com 21 de julho a 31 de agosto de 2014).

No dia 20 de julho, a velocidade máxima permitida caiu de 90 km/h para 70 km/h nas pistas expressas das marginais, de 70 km/h para 60 km/h nas centrais; e de 60 km/h para 50 km/h nas pistas locais. No caso de ônibus e caminhões, a velocidade limite nas pistas expressas é de 60 km/h.

Se levarmos em conta apenas vítimas fatais, houve redução de 50%. Em 2014, seis pessoas morreram e, em 2015, três. Os acidentes sem vítimas caíram 15%, de 373 para 317.

Em relação ao trânsito, a redução da velocidade nas marginais contribuiu para diminuir a lentidão. No pico da manhã, o trânsito nas marginais caiu 8%, no pico da tarde, 22%, de um ano para outro. Em toda a cidade, também houve redução de congestionamento nestas seis semanas após os novos limites de velocidade: 11%, no pico da manhã, e 19%, no pico da tarde.

As mudanças fazem parte do Programa de Proteção à Vida, criado pela Prefeitura de São Paulo. O objetivo é regulamentar em 50 km/h o limite de velocidade em praticamente todas as avenidas importantes da cidade.

Estes radares também flagra veículos, ônibus e caminhões. 

O incrível é que ninguém sabe para onde vai este dinheiro das multas porque para melhorias das ruas e educação do trânsito que não é.

Fonte: G1