Olá,

Desde que foi inaugurada no último dia 28 de junho, a ciclovia da Avenida Paulista abriu precedente para o debate sobre a ocupação do endereço mais popular da cidade com atividades artísticas e culturais – ao invés de automóveis – aos domingos. Apesar disso, vozes contrárias ao fechamento costumam alegar que o fechamento da via poderia atrapalhar a circulação de veículos particulares e ambulâncias aos hospitais da região.

Reprodução (Facebook)

Reprodução (Facebook)

Na última terça-feira, 14 de junho, em matéria divulgada pela revista Carta Capital, nenhum hospital daquela região  se manifestou contra a abertura da Avenida Paulista para lazer ou manifestações, reiterando, ainda, que todas as unidades de saúde contam com acessos alternativos aos seus prontos-socorros.

Após a experiência de interdição da avenida no último dia 28, a prefeitura de São Paulo estuda abrir a avenida para pedestres todos os domingos, impedindo, assim, o acesso de automóveis.

No levantamento realizada pela revista, em um raio de 500 metros por toda a extensão da avenida existem 15 hospitais, dos quais três deles não têm pronto-socorro, ou seja, não recebem ambulâncias.  Confira a matéria na íntegra no site de Carta Capital.

Estive na inauguração da ciclovia da Av. Paulista e foi muito bom.

A grande realidade é que SP está amarotada de gente e os parques não dão mais conta de tanta gente todos os dias buscando lazer e aos finais de semana é fila de carros, congestionamento de bikes, de corredores, skatistas, de gente passeando com seus animais de estimação  e de gente para conseguir um espaço. 

O Minhocão também fica fechado agora aos sábado à partir das 15:00 e só reabre na segunda-feira às 06:30 e fica tomado de gente…

Portanto, se fecharem a Av. Paulista será mais um local onde as pessoas irão desesperadamente buscar lazer ao ar livre, por diga-se de passagem, os shoppings daqui também é tomado pela multidão.

Pergunta: De onde vem tanta gente?

Fonte: Catraca Livre & Carta Capital