Olá,

A greve dos metroviários, que teve início nesta quinta-feira (05/06) na capital paulista e afeta 4,5 milhões de passageiros de Metrô — essa é a estimativa do número total de usuários mencionada pelo Metrô, em nota, após o anúncio da paralisação.

A única linha que funciona é a 4-Amarela, pois é privatizada e tem quadro de funcionários distinto.

Os metroviários recusaram proposta de 8,7% de aumento. Na semana passada, os funcionários do Metrô chegaram a propor ao governo que a paralisação fosse pela catraca livre. O governador Geraldo Alckmin recusou a oferta.

A greve deve ainda afetar passageiros da CPTM, que decidiu fechar a estação Corinthians-Itaquera e controlar o fluxo na catraca, e também deixar o trânsito da cidade mais carregado por causa da suspensão do rodízio anunciado pela CET.

Após o Metrô entrar com um pedido liminar, o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) determinou que trabalhadores mantenham 100% do quadro durante os horários de pico e 70% nos demais horários. O sindicato da categoria, porém, informou que não cumprirá a determinação da Justiça, pois não havia sido notificado até a noite de quarta e, com isso, não haveria tempo hábil para reunir os trabalhadores.

Outro fato que pode causar transtornos para quem precisa se locomover pela cidade  é a segunda greve dos funcionários da CET que também decidiram, na quarta-feira à noite, iniciar uma paralisação por tempo indeterminado, após recusarem proposta de aumento de 8%. A decisão foi tomada durante assembleia realizada na Câmara Municipal de São Paulo.

Números

Embora o Metrô tenha mencionado, em nota, que a estimativa do total de usuários seja de 4,5 milhões, a média diária de viagens é inferior a isso — gira em torno de 3 milhões.

Até quando viveremos neste caos?

Fonte: R7