Olá,

Em torno da Parati preta dos anos 90 um grupo de jovens estilo “manos” e “cachorras” ouve, no máximo volume, as inconfundíveis batidas do funk paulista regado a muita cerveja.

As letras do pancadão, desaconselháveis para menores de 18 anos, ecoavam por todos os lados. Nenhuma das cerca de 300 pessoas presentes passava impune a elas.

A cena, muito comum na periferia paulistana, chamava a atenção na tarde de ontem por um detalhe: o local escolhido pelo grupo.

Os jovens e seu “público” estavam em plena serra do Mar em meio às arvores e próximos a uma cachoeira.

O local fica na estrada de serviços no acesso do km 53 da Imigrantes (pista norte), em Cubatão. É invisível para quem passa pela rodovia que liga o litoral à capital.

O montador Max Ferraz, 23, de Cubatão, disse que escolher a música que todos vão ouvir é o prêmio de uma disputa ocorrida horas antes.

“A gente emparelha os carros das equipes competidoras. Quem tocar mais alto ganha e faz a festa. Quem perde vai embora”, disse ele.

Um carro da Polícia Militar passou pelo local quando a reportagem estava por lá. Os policiais apenas observaram o movimento e foram embora sem dar nenhuma ordem.

“Aqui a gente não incomoda ninguém. Estamos no meio do mato”, afirmou operador de máquinas, Nailson Vieira, 23, amigo de Ferraz. Ele disse eles participam de competições de som automotivo na Baixada Santista.

Além dos apaixonados pelo funk, famílias inteiras podiam ser vistas na área de lazer improvisada curtindo a água fria que escorria por uma escadaria de concreto. Todos convivendo pacificamente.

Homens, mulheres, crianças e até bebês curtiam a tarde de sol em cadeiras de praia, pranchas de isopor e churrasqueiras improvisadas. Algumas mulheres se banhavam mesmo com vestidos longos.

Cerca de cem veículos estavam estacionados ao longo da estrada de serviços que dá acesso ao curso d’água. A maioria das placas indicava cidades da Baixada Santista.

PARQUE

A Ecovias (concessionária do sistema Anchieta-Imigrantes) diz que o local é de responsabilidade do Parque Estadual da Serra do Mar, núcleo Itutinga Pilões.

Os funcionários da concessionária dizem que, nesta época do ano, é muito comum a região ser utilizada para oferendas religiosas. Eles disseram desconhecer o pancadão.

A reportagem não conseguiu contato com ninguém do parque ontem. O site informa que a visitação ocorre “somente mediante agendamento”, de segunda a sábado.

Como não incomoda ninguém? E os  animais ?

E acender qualquer tipo de fogo não é crime ambiental dentro de uma reserva florestal? 

Imaginem a sujeira que eles deixaram por lá…

Ridículo!

Fonte: Folha