Olá,

Durante os argumentos finais, Marvin Putnam disse ao júri que a estrela morreu por causa de suas “más escolhas”.

“Você não pode culpar alguém por suas más escolhas.” disse Marvin.

Marvin Putnam

A família Jackson está pedindo US$ 290 milhões (£ 181m) em danos pessoais para a AEG Live sobre sua morte em 2009.

O cantor morreu com a idade de 50 anos de uma overdose do anestésico cirúrgico propofol, à frente de uma série de concertos de retorno em Londres.

A família afirma que a AEG Live não investigou devidamente o Dr. Conrad Murray – o ex-cardiologista que foi condenado por homicídio culposo, em 2011 – e perdeu os sinais de alerta sobre a saúde do cantor.

Mas, resumindo-se na quarta-feira, 25/09/13, o advogado de defesa Marvin Putnam afirmou que a estrela nunca disse aos produtores que ele estava usando propofol para superar sua insônia crônica.

“AEG só descobriu a verdade após a morte do Sr. Jackson”, acrescentou.

“AEG nunca teria concordado em financiar esta turnê se eles soubessem que o Sr. Jackson estava jogando roleta russa em seu quarto todas as noites”, disse Putnam aos jurados.

“Especulação e conjecturas ‘

Putnam reiterou que era Michael Jackson, não AEG, que insistiu na contratação de Murray – então seu médico de família – como o seu médico para a turnê “This Is It” em Londres.

“Ele não pediu AEG”, disse o advogado. “Ele disse, ‘Nós estamos usando este médico. Ele era um homem adulto de 50 anos e como um homem adulto, ele é responsável pela sua própria saúde e de suas próprias escolhas, não importa o quão ruim essas escolhas podem ser.”

“Era o dinheiro dele e ele certamente não ia aceitar um não como resposta”, disse ele.

Putnam focou nos e-mails e nos extratos de contratos propostos, argumentando que nunca houve um contrato entre Murray e AEG.

“Você não pode negligenciar alguém, a menos que o contrate”, disse ele, acrescentando: “. A evidência é muito clara de que Michael Jackson era a pessoa quem contratou o Dr. Murray”

Ele indeferiu o pedido da família Jackson por US$ 290 milhões em danos, com base no potencial de ganhos do cantor, como “especulações e conjecturas”.

“Eu sinto muito, isso é um número absurdo. E eles não provaram que, mesmo remotamente.”

Advogado de Jackson, Brian Panish, deverá ter uma última chance de responder às alegações finais antes de o júri se retirar para as considerações finais. Nove dos 12 jurados devem concordar em garantir um veredicto.

Qualquer valor que seja pedido a AEG Live nunca estará de acordo, então o juiz e jurados que definam logo.

Lyllyan

Fonte: BBC News