Olá,

As manchetes negativas sobre o uso de medicamentos e de acusações de abuso sexual reduziu muito o potencial de ganho de Michael Jackson, disse um consultor de entretenimento.

Michael Jackson performs in Rotterdam, Netherlands.

As vendas de álbuns de Michael Jackson caiu drasticamente a partir de seu auge e sua “simpatia” se tornou drasticamente negativa após “manchetes significativamente negativas, abuso de drogas e outras questões”, declarou Eric Briggs.

O depoimento de Briggs no julgamento de homicídio culposo da AEG Live tem por objetivo impedir que a analise do perito contratado pelos advogados da família Jackson teria ganhado US$ 1,5 bilhão com os shows pelo mundo e se ele não tivesse morrido durante a preparação para os seus shows de retorno.

AEG Live tinha colocado uma grande aposta em Michael Jackson para vender bilhetes, quando ele assinou um contrato de três anos para a sua turnê “This Is It”. Embora a empresa trabalhou duro para convencer Michael Jackson em 2009, para deixá-los produzir e promover os seus shows.

AEG pagou mais de 700 mil dólares para Briggs preparar sua analise para o depoimento questionando o poder de ganho de Michael Jackson.

Na verdade, os executivos da AEG se gabaram na época como os primeiros 50 shows de Michael Jackson que aconteceriam em Londres, pois os bilhetes se esgotaram em tempo recorde, com bastante compradores potenciais que compraram os 50 shows.

Se o júri decidir que AEG Live é responsável pela morte de Michael Jackson, a perda do potencial de ganho seria o fator para determinar os  danos a serem pagos pela AEG.

Briggs testemunhou que ele estudou “Q Score” de dados de Michael Jackson, a tendência de suas vendas de álbuns e sua estabilidade para concluir que Michael Jackson tinha uma pequena chance de ganhar dinheiro a partir de avais e patrocínios.

Ele disse que era “razoavelmente certo” que Michael Jackson teria arrecadado US $ 300 milhões de dólares de apoios e patrocínios.

Briggs contestou a estimativa, dizendo que enquanto Michael Jackson era “um grande artista”, as empresas escolhem as celebridades para alinhar seus produtos com base na “simpatia” do artista usando o medidor “Q Score”.

“Score Q” de Michael Jackson, em 1993, estava na mesma linha com o artista musical masculino da época, com a pesquisa entre duas pessoas dizendo que gostava dele, disse Briggs. Esse foi o ano em Michael Jackson teve um problema com analgésicos, e entrou na reabilitação.

Dramaticamente se tornou sua pontuação negativa ao longo das próximas décadas, disse Briggs. Em 2006, um ano depois de ter sido absolvido em um julgamento por abuso sexual infantil, mais de sete pessoas disseram que não gostava de Michael Jackson para cada um que disse que gostava dele, testemunhou Briggs.

Empresas seria “muito ansiosa” em colocar alguém com tal “simpatia” negativa ao lado de seus produtos, ele disse.

O advogado da família Jackson Brian Panish terá a chance de questionar suas conclusões com Briggs ainda na terça-feira, 30/07/13.

Vejam como a coisa é contraditória…

Se Michael Jackson era tão negativo, sem simpatia, perigoso, ninguém iria patrocinar ou vincular seus produtos  a ele, ninguém de acordo com a pesquisa gostava dele porque a empresa fez um CONTRATO DE 03 ANOS e VENDEU 50 SHOWS?

E como um artista classificado de forma pela AEG vende 50 shows em menos de 04 horas? Então imaginem se Michael fosse uma pessoa “positiva” ninguém iria conseguir comprar os ingressos porque venderia antes mesmo de anunciar os shows.

A AEG só diz isto porque está sendo processada.

Lyllyan

Fonte: CNN