Olá,

Katherine Jackson disse que seu filho, Michael Jackson, era um pai amoroso e um filho amoroso, e disse que é difícil ouvir o que ela acredita serem equívocos do Rei do Pop, que morreu em 2009 na idade de 50 anos depois de ter sido dado uma dose letal de propofol.

“A coisa mais difícil é sentar neste tribunal e ouvir todas as coisas ruins que eles dizem sobre o meu filho”, disse ela na sexta-feira, 19/07/13, no processo por homicídio culposo de sua família contra a AEG Live, empresa que estava promovendo a turnê mundial Michael Jackson. “[Eles] disseram que meu filho é uma aberração, dizendo que ele é preguiçoso.”

“Meu filho não era preguiçoso”, continuou ela. “Essa é a maior mentira ao redor.”

Além de ser um cantor, compositor, Michael Jackson foi um artista muito bom, sua mãe disse, acrescentando que alguns de seus trabalhos foi os mais vendidos. E, claro, “ele nasceu dançando”, disse ela. “Ele estava em meus braços e não podia andar, ainda assim, estava dançando.”

Ela também descreveu Michael como um filantropo que levou alegria em ajudar os outros, inclusive sua família. Quando perguntado se ele já deu presentes, Katherine respondeu: “Todo o tempo. Ele me deu tudo, as necessidades da vida, presentes, carros, jóias, casas móveis. “

No entanto, ela não achava que ele era fisicamente capaz de completar a turnê mundial esgotante que ele tinha planejado, e acrescentou que ela chamou o CEO da AEG Live, Randy Phillips, e ex-gerente de Michael Jackson, Dr. Tohme Tohme, sobre o assunto. Ela disse que não conhecia Conrad Murray, o médico que foi condenado por homicídio culposo, até que depois que Michael morreu.

“Quando uma mãe perde um filho”, disse ela, chorando, “isso é o pior que pode acontecer para uma pessoa.”

“Michael e eu estávamos muito perto”, acrescentou. “Ele era o filho – a mãe não iria querer um filho melhor do que Michael.”

A mídia inventa porque vende revistas e jornais e ainda tem os babacas que acreditam e assim vão seguindo.

Lyllyan

Fonte: ABC News