Olá,

Kenny Ortega alertou os promotores do shows cinco dias antes da morte de Michael Jackson, que o cantor precisava de “um psiquiatra para avaliá-lo o mais rápido possível.”

In 2011, Kenny Ortega testified at Dr. Conrad Murray's criminal trial.

O diretor do espetáculo de retorno de Michael Jackson começou seu depoimento sobre o AEG Live nesta segunda-feira,  08/07/13, sobre os dias  finais de Michael Jackson.

Suas primeiras horas de depoimento na tarde desta segunda-feira foram gasto discutindo sobre a criatividade de Michael Jackson, sua voz, sua canções e e suas danças eram “o único em sua geração”.

Os advogados da mãe de Michael Jackson, Katherine Jackson e as crianças processam a AEG Live por homicídio culposo devido aos executivos terem ignorado os sinais de alerta sobre a saúde e as condições mentais que Michael estava, se eles tivesse prestado atenção poderiam ter salvado sua vida.

Ortega, que conhecia bem Michael Jackson e trabalhava com ele na preparação de sua turnê “This Is It”, soou um alerta para o CEO da AEG Live Randy Phillips em um e-mail em 20 de junho de 2009 – cinco dias antes da morte de Michael Jackson  onde Ortega não achava que o artista estaria pronto para os shows.

Ele descreveu o que viu “fortes sinais de paranoia, ansiedade e comportamento obsessivo  de Michael Jackson. Eu acho que a melhor coisa que podemos fazer é obter um psiquiatra para avaliá-lo o mais rápido possível.”

Especialista: MJ não era “dependente de medicamentos”, viciado

AEG diz que Michael Jackson mantinha em sigilo seu uso em medicamentos, que a empresa afirma que é um vício, então não havia nenhuma maneira de saber quais os tratamentos que o Dr. Conrad Murray estava dando a Michael  Jackson em seu quarto.

Mas um especialista em dependência de drogas testemunhou na semana passada e disse “não tinha um monte de provas para apoiar” a crença de que Michael Jackson era viciado em medicamentos.

Se ele fosse um viciado, Michael Jackson “estaria tomando medicamentos que não foram prescritos por um profissional médico, levando grandes quantidades de medicamentos prescritos e ter comportamento de busca,” testemunhou Dr. Sidney Schnoll.

Não havia nenhuma evidência que Michael Jackson tomou medicamentos que não foram dados a ele por um médico ou que tomou mais do que foi prescrito pelo médico, disse Schnoll.

“As garrafas de sedativos encontrados em sua casa depois de sua morte tinha mais restos de pílulas do que ele teria se Michael Jackson fosse um viciado”, disse Schnoll. “Isto indica estes medicamentos não estavam sendo levados em uma base regular”, disse ele.

As evidências mostram que Michael Jackson procurava medicamentos com um número de médicos, mas que não era inadequado, porque ele precisava deles “para tratar um problema médico legítimo”, incluindo dor nas costas, dor no couro cabeludo e problemas dermatológicos, testemunhou Schnoll.

Apesar de não ser viciado, Michael Jackson era dependente de medicamentos, disse ele.

Os analgésicos forçavam Michael Jackson acabar sua turnê “Dangerous” de 1993 mais cedo para que ele pudesse entrar em um programa de reabilitação para aliviar a dor de uma cirurgia no couro cabeludo necessário para reparar queimaduras sofridas quando filmava um comercial da Pepsi, disse Schnoll.

As queimaduras deixaram cicatrizes e nervos danificados em seu couro cabeludo, o que se torna “tecido excitável” que “pode ​​ser disparando assim como o nervo”, disse ele. O resultado “pode ​​ser todo dolorido, como uma espécie de dor que queima, persistente e afiada, tipo, tiro de dor”, disse ele. “É muito desconfortável e é um dos tratamentos mais difíceis de se tratar.”

O alívio da dor é o uso legítimo de medicamentos opioides e uma pessoa pode funcionar normalmente se for cuidada sob orientação de um médico, disse ele.

O Presidente John Kennedy era dependente de opiáceos para aliviar a “uma dor muito grave nas costas”, enquanto estava na Casa Branca, disse ele.

“É o presidente ficou bem?” perguntou o advogado Michael Koskoff.

“Isso depende da sua filiação política”, respondeu Schnoll.

O injeções de Demerol aplicadas em Michael Jackson durante suas consultas com o dermatologista de Beverly Hills, entre abril e sua morte, no final de Junho de 2009 foram dadas por motivos médicos legítimos, testemunhou Schnoll.

Se ele fosse viciado em Demerol – que é um poderoso opiáceo – ele não teria aguentado 43 dias entre uma aplicação ou outra, mostram os registros  médicos mostram, disse ele.

Michael Jackson também passou cerca de 13 anos – de 1993 até 2008 – sem medicamentos, disse ele. O médico admitiu no interrogatório, no entanto, que uma lacuna nos registros médicos disponíveis podem ser enganadoras.

A utilização de sedativos por Michael Jackson foi um esforço para tratar sua insônia crônica, disse Schnoll.

Se o problema do sono subjacente pudesse ser resolvido, as chances de acabar com o uso de medicamentos por Michael Jackson teria sido bom, disse ele.

Não havia nenhuma indicação de que Michael Jackson era viciado em propofol antes do Dr. Conrad Murray começar a lhe dar infusões noturnas do anestésico cirúrgico por 60 dias que antecederam a sua morte, disse ele.

Ignorados os sinais de alerta?

Ortega, em seu e-mail para o CEO da AEG Live Randy Phillips em 20 de junho, escreveu que “Eu honestamente não acho que ele está pronto para isso com base em seu estado de enfraquecimento físico e aprofundamento contínuo emocional.”

Ele disse que Michael Jackson estava tendo dificuldade para “agarrar o trabalho” nos ensaios.

O gerente de produção John “Bugzee” Hougdahl escreveu em um e-mail para Phillips horas antes do e-mail de Ortega mandando Michael Jackson para casa porque ele naquela noite estava com comportamento muito estranho.

“Eu o assisti deteriorando em frente dos meus olhos ao longo das últimas 8 semanas. Ele foi capaz de fazer várias rodadas de 360 ​​em abril. Ele ia cair de bunda no chão, se tentasse agora”, escreveu Hougdahl. “Ele era um caso perdido e Kenny estava preocupado que ele iria envergonhar a si mesmo no palco, ou pior ainda -. Se machucar. A empresa está ensaiando agora, mas a dúvida é generalizada.”

Phillips respondeu a Ortega: “Por favor, fique firme ao soar do alarme. É chegada a hora de apagar o fogo, não queime o prédio…”

Ao escrever “queimar o prédio”, ele quis dizer que era hora de cair a ficha sobre a turnê que estava marcada para começar em três semanas, Phillips declarou no mês passado. “Em uma situação altamente carregada como esta, eu só queria manter as coisas calmas até que pudéssemos ter a reunião.”

Phillips se reuniu com Murray, Michael Jackson e Ortega na casa de Michael Jackson mais tarde naquele dia. Enquanto que os advogados da família Jackson argumentavam que a reunião se destinava a pressionar Murray para se certificar de que Michael Jackson estava pronto para os ensaios, os advogados argumentam que Murray assegurou para os produtores da AEG que nada estava errado.

Phillips declarou que ele se lembrava pouco sobre a conversa da reunião e Murray fez valer a sua proteção constitucional contra a auto-incriminação para evitar depor no julgamento. Isso faz com que o testemunho de Ortega seja crucial para ambos os lados.

Mão sobre a prova ou o rosto de prisão

Um drama relacionado ao julgamento poderia se desdobrar nesta segunda-feira, pois o juiz irá decidir se ele vai realizar uma ameaça de prisão caso a filha ou a viúva do ex-gerente de Michael Jackson, Frank DiLeo por elas se recusarem a entregar um notebook particular de Frank pedido pelos advogados da família Jackson.

Frank DiLeo, que atuou como gerente de Michael Jackson por décadas, reapareceu em sua vida, nos seus últimos meses. Ele morreu em 2011. Os advogados dos Jackson desejm pesquisar seu laptop com as provas para apoiar a sua afirmação de que DiLeo esta com a AEG e não com Michael Jackson.

Sua filha, Belinda DiLeo, recusou uma ordem judicial na semana passada para divulgar o que tinha no notebook, o que levou o desprezo da ordem judicial. O juiz deu a Belinda DiLeo até segunda-feira para entregá-lo ou enfrentar a prisão. A audiência será realizada quarta-feira para determinar se as  mulheres cumprirão a ordem.

Michael Jackson mudou de gestores por duas vezes nos últimos três meses de sua vida. No final de março de 2009, ele contratou Leonard Rowe – um dos amigos de seu pai – para substituir Tohme Tohme, o gerente que inicialmente negociou o acordo com a AEG para a sua turnê “This Is It”.

Os advogados dos Jackson argumentam que Michael Jackson foi forçado a contratar Frank DiLeo a pedido da AEG Live, que havia trabalhado para ele de vez em quando ao longo de décadas, como seu gerente, em maio/2009 ele não queria trabalhar mais com Rowe.

Foram recuperados 5000 e-mails e uma advogada em Ohio está revendo para redigir as  informações mais relevantes e pessoal antes de entregá-las para os advogados dos Jackson.

Nunca achei que Michael Jackson fosse viciado e sim que utilizava medicamentos por causa de seus problemas crônicos…

Randy Phillip é um mentiroso, ele nunca se preocupou com Michael Jackson somente com as cifras que esta turnê geraria…

E quem diria que Frank DiLeo estava na mesma panela que a AEG… Chocada!!!

Lyllyan

Fonte: CNN