Olá,

A primeira reação à visão dos fios acumulados no ralo do chuveiro, no travesseiro, no banco do carro ou nas roupas é o medo de ficar careca.

“A segunda é entrar na farmácia ou no supermercado e comprar qualquer coisa que traga o apelo de interromper a queda de cabelos”, diz o médico Luciano Barsanti, presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia.

Para saber o que o consumidor pode esperar desses produtos, a Folha testou o desempenho de oito xampus “antiqueda”, promessa repetida em destaque nas embalagens das principais marcas.

O teste foi feito no laboratório da Kosmoscience, empresa de pesquisas na área de cosméticos.

Para avaliar o desempenho, foram contados os fios caídos de mechas de cabelo tratadas com cada um dos produtos “antiqueda” e com xampu comum. A contagem dos fios foi feita após uma simulação que equivale a um mês de lavagens.

O pior efeito observado foi o do xampu Palmolive para homens: o produto salvou só 33 fios de cabelo, uma redução de cerca de 13% na queda observada após o uso do xampu comum.

Em primeiro lugar entre as oito marcas testadas, o Pantene Pro-V evitou que 86 fios caíssem em um mês –redução de 33,5%.

“Todos os xampus avaliados apresentaram proteção estatisticamente significativa contra a queda”, segundo o estudo. “Uma diferença de 5% já é considerada relevante”, afirmou o químico Adriano Pinheiro.

O problema é que a maioria dos consumidores não sabe que os xampus da categoria “antiqueda”, seja qual for a marca, só reduzem a queda causada por quebra do fio (provocada por agressões externas, tração etc.).PROMESSAS

Para colocar um xampu desse tipo no mercado a empresa deve apresentar à Anvisa testes que comprovem as promessas feitas pelo produto. Esses xampus prometem controlar, prevenir e reduzir a queda. Mas a informação de que tudo isso se refere apenas à queda causada por quebra fica escondida na embalagem. Está lá, em todos os rótulos, mas passa despercebida pelo consumidor: fica na parte de trás, em letras tão pequenas que às vezes são ilegíveis, conforme análise do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

Tudo bem diminuir a quebra e ganhar cabelos mais brilhantes (esses xampus têm ação hidratante, que deixa os fios mais flexíveis e menos propensos a quebrar quando submetidos a agressões como escova, pente, calor etc.).

Mas a queda é mais embaixo. Quando a pessoa está perdendo cabelos a ponto de apresentar falhas e num ritmo que a faz pensar em calvície, não é ação “antiqueda” por quebra que vai melhorar o seu problema.

“O importante não é o quanto cai, mas o quanto nasce. Um produto só terá efeito se estimular o nascimento de fios”, diz a dermatologista Meire Gonzaga, do departamento de cosmiatria da Faculdade de Medicina do ABC.

Mesmo assim, não há garantia. “Não existe produto milagroso para a queda, seja medicamento, seja cosmético”, afirma Barsanti.

E, se a pessoa não espera milagres, pode ganhar algo com o chamado “antiqueda”?

Uns fios a mais, segundo o teste. “O número a mais de fios que ficam não é tanto assim”, diz a dermatologista Meire Gonzaga.

Para alguns, qualquer fio a mais está valendo.

Mas é bom prestar atenção: “Quem fica experimentando um monte de produtos e não procura a causa da queda pode estar adiando o tratamento de problemas mais sérios, como psoríase ou dermatite química (inflamação do couro cabeludo por agentes químicos)”, diz Barsanti.

Se estes xampus fossem bons, não existiria nenhum careca.

Fonte: Folha