Olá,

Tremer com o frio, suar com o calor. Desidratar-se no verão, resfriar-se no inverno. Além destes efeitos conhecidos, as variações na temperatura nos afetam de modo despercebido.

As mudanças de um ambiente quente para um gelado, ou o contrário, que ocorre por exemplo quando o corpo passa do ar condicionado de um veículo, centro comercial, casa ou ginásio ao forno da rua, podem afetar os músculos.

Por isso, o Conselho Geral de Colégios de Fisioterapeutas da Espanha (CGCFE) recomenda se evitar as mudanças bruscas de temperatura para prevenir lesões e dores.

Com o frio, as zonas mais atingidas por lesões e contraturas que causam dores são o pescoço e as costas, segundo o CGCFE, que aconselha aos que praticam exercício que façam alongamento e aquecimento antes da atividade física para prevenir problemas.

Do termômetro também depende a cura das lesões. Segundo os especialistas do laboratório farmacêutico Cinfa, a maioria dos problemas que afetam o aparelho locomotor pode ser aliviada se aplicando bolsas térmicas nas partes doloridas.

Em lesões agudas, nas primeiras 72 horas, o gelo é indicado por seu efeito redutor da inflamação, dos hematomas e da dor, sobretudo em entorses, torceduras e contusões.

Passados três dias, a indicação é a aplicação de calor, pois ele relaxa a região com problema, reduz a dor e acelera o desaparecimento dos hematomas, apontam os especialistas do laboratório.

Curiosidade de verão e inverno

Uma pesquisa da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard (Estados Unidos) sugere que mudanças de apenas um grau, durante o verão, podem encurtar a esperança de vida das pessoas de idade mais avançada com doenças crônicas, provocando milhares de mortes adicionais a cada ano.

No inverno, o frio também pode causar estragos. Quando as temperaturas descem, aumentam a incidência de doenças e o ideal é se proteger, tomar bebidas quentes, evitar esforços repentinos e não sair no frio extremo.

Segundo a Federação Britânica do Coração, no frio o risco de uma pessoa sofrer infartos e derrames cerebrais é maior, pois os vasos sanguíneos se contraem, o coração se esforça mais e a composição do sangue muda, aumentando a chance de surgirem coágulos.

Além disso, somos mais vulneráveis às gripes e resfriados, porque o ar frio faz com que o aparelho respiratório produza uma mucosidade mais densa e pegajosa e menos eficiente para nos proteger dos vírus, explica o médico Gavin Donaldson, especialista em medicina respiratória da Universidade de Londres.

O termômetro nos afeta de modo surpreendente. Um estudo de cientistas da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, revelou que as pessoas que bebem café com leite quente costumam fazer julgamentos mais cuidadosos sobre as outras pessoas do que aqueles que preferem esta bebida fria.

Segundo o autor principal do estudo, John A. Barg, “a temperatura afeta a forma de ser das pessoas, fazendo com que sejam mais generosas e confiantes ou o contrário”.

Outro estudo da doutora Simona Bo, da Universidade de Turim (Itália), diz que ao contrário das “pessoas que mantêm suas casas a 20 graus no outono e inverno, aqueles que preferem um lar mais quente são duas vezes mais propensos a engordar”.

Eu sinto mais dores no inverno e com temperaturas baixas!!!

Fonte: Yahoo