Olá,

Dependendo da área de atuação, a cena de cabeças ornadas por fones de ouvido é comum no ambiente profissional. Mas nem toda empresa aceita que seu funcionário trabalhe imerso nesse mundinho particular em horário comercial.

Com a entrada da geração Y no mercado de trabalho, as regras do jogo corporativo mudaram, aponta Leyla Nascimento, presidente da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos).

“Algumas empresas veem o uso de fones de ouvido como reforço para a concentração, pois a nova geração tem capacidade de conexões múltiplas”, argumenta.

Na era da conectividade, o fone não serve apenas para escutar música. Também é útil para fazer ligações, ouvir podcasts, assistir a vídeos etc.

Paulo Muppet, sócio da Birdo, empresa de animação, defende a presença do aparelho no trabalho e não acredita que a prática diminua a produtividade. “Se todo mundo usasse o fone, não falaríamos tanta besteira”, brinca.

Animador da Birdo, Fernando Finamore, 25, utiliza o aparelho principalmente nos momentos que não exigem tanta atenção.

O trabalho do animador oscila entre as atividades mais mecânicas e as que precisam de maior concentração.” Atrapalha o contato entre os colegas? “Não”, ele diz. “Basta um gesto e a pessoa já olha, tira o fone e participa.”

Na prática, não funciona assim com todo mundo. “A gente começa [a chamar] ‘fulano, fulano’, até que alguém encosta na pessoa. É um pequeno incômodo”, exemplifica o sócio da Birdo.

Para evitar esse tipo de problema, Marcelo Rodrigues, sócio do escritório de advocacia TranjanRodrigues, prefere que os funcionários estejam com os ouvidos sempre livres.

Veto total [ao uso de fones]”, afirma. “Disse [a uma funcionária] que estava clinicamente comprovado que você não consegue se concentrar em duas mensagens ao mesmo tempo, que passava uma impressão ruim e que eu não gostava de levantar toda hora para falar com ela”, conta o advogado. “Viver pelo escritório com fone é desrespeitoso com as demais pessoas.”

Marcelo Hueb, presidente da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial, é taxativo: “Teremos uma geração de surdos. Os fones de ouvido prejudicam muito a audição.”

Existem vários itens que atrapalham no trabalho, como: pessoas desmotivadas que reclamam o dia inteiro e não fazem nada para mudarem de emprego, assim como aqueles que bate-papo o dia todo e esquece-se das tarefas e atrapalham as dos outros, brincadeiras inconvenientes, pessoas que falam alto demais, outras que ficam ao telefone fixo ou ao celular constantemente  tratando de assuntos pessoais e assim por diante… Enfim, o fone de ouvido às vezes ajuda, sabe!!!

Fonte: Folha