Olá,

Presos fizeram uma festa com churrasco, bebidas e até uma piscina inflável na carceragem da delegacia de Bandeirantes (426 km de Curitiba). Segundo reportagem exibida nesta quinta-feira (9) pelo programa “Paraná TV”, da RPC, a festa foi realizada em dezembro de 2011. Nas fotos, é possível ver telefones celulares na cintura dos detentos.

Ainda segundo a reportagem, a piscina, de 2.000 litros, foi enchida com água das torneiras da delegacia, e a festa teve aparelho de som e “muita cerveja”. Os homens que aparecem nas fotos cumpriam pena por assassinato, roubo e tráfico de drogas. Dois deles foram transferidos a outras unidades e um foi libertado, segundo a RPC.

A Polícia Civil do Paraná informou, em nota, que afastou o delegado Alessando Luz e que irá investigar o caso. “O servidor envolvido poderá receber punição, que vai desde advertência até exclusão do quadro”, informa o texto (leia a íntegra abaixo).

“Acho (um episódio) lamentável. A Corregedoria irá tomar todas as providências”, afirmou ao UOL o delegado-geral da Polícia Civil do Paraná, Marcus Vinícius Michelotto. “É mais um desgaste para nós, por causa de uma função (cuidar de presos) que não é nossa.”

Em novembro passado, o diretor do Departamento Penitenciário do Estado, Maurício Kuehne, estimava ao UOL que havia 15 mil presos em carceragens de delegacias de polícia, dos quais cerca de 5 mil já cumpriam pena – o que é ilegal. Presos condenados devem ser levados a penitenciárias, mas faltam vagas para isso no Paraná.

Íntegra da nota da Polícia Civil

“Quanto à denúncia provida de imagens de uma suposta ‘festa’ realizada por presos no setor de carceragem provisória da Delegacia de Bandeirantes, a Divisão Policial do Interior (DPI) informa que, assim que tomou conhecimento do fato, afastou o delegado Alessandro Roberto Luz.

“O delegado chefe da 11.ª Subdivisão Policial de Cornélio Procópio, Marcos Belinatti e o corregedor de área Nelson Mizuta,  já estão na delegacia de Bandeirantes para as providências.

“Um procedimento administrativo está sendo instaurado para apurar as responsabilidades e o servidor envolvido poderá receber punição que vai desde uma advertência até a exclusão do quadro de servidores da instituição.

“O Departamento da Polícia Civil do Paraná ressalta que não admite condutas que confrontem com a legislação, coloquem em risco a segurança da população ou que possam denegrir a credibilidade da instituição perante à sociedade.”

A que ponto chegou o sistema carcerário do nosso país.

Fonte: UOL