Olá,

“Lana Del Rey é uma espécie de Nancy Sinatra gângster e sua música é o equivalente sonoro de um filme de Vincent Gallo.”

As frases poderiam ter sido usadas pela mídia para a cantora em ascensão, mas vieram “com o pacote”. Fazem parte da divulgação da moça de 24 anos, antes conhecida como Lizzy Grant.

Polêmica: ela já admitiu que o nome foi escolhido pela gravadora Interscope (Universal). Mas, à Folha, disse que sempre gostou de Lana e tinha um amigo com o sobrenome Del Rey.

Não leva mais de três cliques para descobrir, no Google, músicas e vídeos de antes de ela se tornar a próxima sensação da música e ser comparada com Stevie Nicks e Fiona Apple.

Críticas surgiram tão logo Lana publicou no YouTube o clipe de “Video Games”, que, desde agosto, teve quase 2,5 milhões de views.

Apesar de ter mais de dez shows com ingressos esgotados, a turnê só começa no dia 4 de novembro na Inglaterra.

Quer mais barulho? Disco seu lançado no ano passado e produzido pelo renomado David Kahne foi retirado misteriosamente do iTunes.

O jornal britânico “The Guardian” aposta que tudo é parte de uma estratégia de marketing paga por seu pai, o rico empresário Rob Grant.

Antes, Lizzy Grant era “cheinha” com cabelos platinados: passava longe da imagem de gostosa. Agora Lana, chama atenção com sua boca “siliconada“, que ela jura ser natural.

O site Pitchfork aposta ainda que a transformação de Lana foi financiada pelo dono de uma gravadora com quem ela teve um caso. Quando a reportagem trouxe o assunto à tona, a ligação foi interrompida. “Acabou o tempo.”

Com tanta controvérsia, há apenas uma certeza: seja lá qual for a história verdadeira de Lana Del Rey, diante do hype, pouco importa.

Sucesso!!!

Lyllyan

Fonte: Folha On-line