Olá,

Uma mulher de Belo Horizonte, em Minas Gerais, foi vítima de uma modalidade de crime que está crescendo no Brasil: o crime cibernético. Ela mantinha um relacionamento virtual de mais de um ano com um homem que dizia estar nos Estados Unidos. Recentemente, ele prometeu casar com ela, mas, segundo a polícia, pediu que ela mandasse o dinheiro da passagem. A vítima depositou R$ 1,8 mil numa conta fornecida por ele.

Gospista pediu que ela depositasse dinheiro em conta de banco em SP - Reprodução TV Globo

Segundo a polícia, o suposto namorado se apresentou com o nome de Plattini Ferreira de Souza, 28 anos.

“No último contato, o suspeito disse que a mulher havia sofrido um golpe. E caso ela insistisse em reaver o dinheiro dinheiro, ele iria utilizar os dados dela para falsificar documentos “

A mulher disse que na véspera da viagem, um amigo do suposto namorado teria ligado e dito que ele havia sofrido um acidente de carro. Esse amigo, segundo a mulher, pediu mais dinheiro. O namorado inclsuive mandou fotos ferido e internado num hospital para tentar convencê-la do que havia acontecido.

“Essas fotos não passam de montagem que foi realizada por este suposto criminoso” diz o delegado Pedro Paulo Marques, da delegacia de crimes cibernéticos.

A vítima desconfiou de que tudo não passava de um golpe e acionou a polícia.

“No último contato, o suspeito disse que a mulher havia sido vítima de um golpe. E caso ela insistisse em reaver o dinheiro, ele iria utilizar os dados dela para falsificar documentos” contou o delegado.

O suposto namorado e o amigo dele ainda não foram localizados pela polícia. De acordo com o delegado Marques, como a conta bancária em que o dinheiro foi depositado é de São Paulo, e a investigação será feita pela polícia paulista.

De acordo com a polícia civil, só em Belo Horizonte, no último ano, o número de crimes praticados pela internet teve aumento de 30%. A maioria envolve estelionato, calúnia e difamação. Esse número pode ser ainda maior, porque muitos casos não são comunicados à polícia, por vergonha.

“Existem vítimas que acabam não levando esses fatos ao conhecimento da polícia porque acreditam que os autores do golpe não serão descobertos, em razão de uma falsa sensação de anonimato. Falsa, porque a polícia tem meios de chegar até os criminosos” diz o delegado Marques.

“As pessoas têm que ficar sempre atentas e não acreditarem em promessas mirabolantes” dz o delegado Islande Batista.

Tomem cuidado com as amizades virtuais, pois elas podem ser tão perigosas quanto as reais.

Lyllyan

Fonte: O Globo