Olá,

Quando o assunto é circuncisão, muitos pensam imediatamente no ritual judaico. Mas a cirurgia de retirada de pele da glande (cabeça do pênis) também faz parte da cultura de outros povos, como a dos muçulmanos e dos africanos. Religião à parte, o procedimento é um tema polêmico que divide a opinião dos especialistas.

Alguns médicos propõem que a operação seja feita em todos os bebês logo nos primeiros dias de vida, já que, até o primeiro mês, o próprio corpo regenera sem a necessidade de pontos.

Outros acreditam que a cirurgia só é indicada perante algum diagnóstico que indique complicações, como a fimose – impossibilidade de exposição da glande, que ocorre quando a abertura do prepúcio é muito estreita, dificultando a passagem da cabeça do pênis. O atrito entre a pele e a extremidade da genitália masculina machuca o local, criando uma fibrose (cicatriz).

Para Francisco Agostinho Júnior, chefe da disciplina de Pediatria da Faculdade de Medicina de Marília, a circuncisão é recomendada apenas em casos extremos. “O prepúcio descola naturalmente com o tempo. Quando isso não ocorre, existem outros métodos que resolvem o problema. Hoje, os cremes de corticóides de alta potência curam a fimose em poucos meses.”

Segundo Marcio Sister, urologista e membro da Sociedade Brasileira de Urologia, quase todas as crianças nascem com a glande coberta por uma pele chamada prepúcio, mas, ao contrário do que muita gente imagina, isso não significa que elas têm fimose. Mesmo assim, a pele extra pode atrapalhar a higienização adequada da região.

“Não é preciso ter fimose para ser circuncidado. Vários estudos internacionais apontam que a cirurgia evita problemas, como infecções urinárias, formação de micoses e algumas doenças sexualmente transmissíveis, por exemplo, a candidíase e a micose”, ressalta Marcio.

O urologista afirma que aproximadamente 40% dos meninos não circuncidados terão problemas ligados à higiene da região genital, o que pode levá-los à circuncisão. “A glande produz uma secreção chamada esmegma que possui fatores cancerígenos. Essa substância se acumula no prepúcio e, durante a relação sexual, entra em contato com o útero, aumentando a incidência de câncer de colo de útero”, diz.

Quanto maior a idade da criança, mais incômodo é o período pós-operatório. A anestesia é local e deve ser feita por um médico especializado. É normal que, alguns dias depois da cirurgia, o pênis fique avermelhado ou apresente uma secreção amarelada, pois tais reações fazem parte do processo natural de cicatrização.

O Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria não recomendam nem proíbem a circuncisão em bebês. Para essas instituições, cabe aos pais decidir se o filho deve ou não passar pela cirurgia.

Bom, acredito que com a cirurgia o bebê só tem a ganhar no futuro.

Lyllyan

Fonte: Terra