Olá,

Ontem mesmo um leitor questionava ao Twitter a opção da TV de mostrar uma partida de Maria Sharapova contra Agnieszka Radwanska em vez em exibir Andy Murray duelando com Viktor Troicki. Embora eu não saiba quais os motivos do canal, admito que preferia ver a russa. O debate é interessante, e os motivos que fazem os fãs preferir um jogo a outro passam pela qualidade do tênis jogado, mas também envolvem o drama e a possibilidade de zebra em cada partida. Afinal há como negar que Fognini x Montañés, uma das piores partidas tecnicamente, foi um dos jogos mais interessantes em Roland Garros?

E assim chegamos a outro duelo cheio de drama – este na chave feminina. Andrea Petkovic, a alemã que gosta de dançar quando vence um jogo, contra Maria Sharapova, a russa que não gosta de ver um adversário dançando quando ela perde. Aconteceu no Australian Open, e a ex-número 1 do mundo ficou irritada a ponto de fazer comentários irônicos quando deu o troco, em Miami. E quem achou que Petkovic – ou Petkorazzi, para os íntimos – aposentaria suas danças se surpreendeu ao vê-la fazendo o Moonwalk, aquele mesmo do Michael Jackson, nas quadras de saibro de Paris. Veja só no vídeo abaixo, em que a alemã conversa com a ex-tenista austríaca Barbara Schett para um programa do Eurosport (em inglês).

Mesmo que a qualidade não venha a ser das maiores – e isso não é raro de acontecer quando duas tenistas com poucas variações e que não se defendem tão bem tentam se impor com pancadas do fundo de quadra -, alguém duvida de uma boa dose de drama nesse jogo? E aí, palpiteiros, quem dança no fim do jogo?
 
Eu acho que ela deve continuar dançando para irritar muito mais gente… Rs
Lyllyan
Fonte: Globo Esporte