Tradução: Adin.

1ª Parte:

2ª Parte:

Quagmire: Você já conversou com John McClain sobre as canções que você gravou com Michael e o que ele pretende fazer?

Dr. Freeze: Não. É difícil entrar diretamente em contato com John McClain, ele está muito ocupado. O assunto ainda não foi abordada.

Q: Como você sabe que “A Place With No Name” e “Blue Gangsta” estará no próximo álbum?

F: Isso eu sei. Está confirmado.

Q: Ótimo, estamos ansiosos por isso! Você pretende retocar a canção “Blue Gangsta”, atualiza-la?

F: Na verdade, isso já foi feito em “Blue Gangsta”. Ela já foi “atualizada”, a canção está finalizada, pronta a sair. Ele está completamente diferente da versão que vazou na net. Ela está perfeitamente calibrada para passar à noite numa discoteca . Ela tem um som muito europeu no estilo das produções de Kraftwerk.

Q: Você vai manter a base da música? [Quagmire ele canta um trecho]

F: Claro, tudo é o mesmo, mas soa mais atual.

Q: Você acelerou o ritmo?

F: Não, não. Tudo é exatamente o mesmo.

Q: [Perplexo] Muito bem. Então, resumindo, você só adicionou alguns sons extras e fez algumas alterações para a “atualizar”?

F: Exatamente isso, Para fazer uma analogia, é como se você tivesse alterado um filme para ser apresentado depois em 3D.

 

Q: Vocês filmavam as sessões de gravações?

F: Não, não era permitido câmeras. Você sabe, ele não gostava de ser fotografado e filmado no estúdio. Portanto, era proibido.

Q: No início da entrevista, você disse que ele programava as batidas e tocava teclado na frente de você. Você pode nos dizer mais?

F: Às vezes, ele criava as canções naturalmente , e quando eu as ouvia, eu ficava atordoado. Essencialmente, eram apenas idéias lançadas aqui e ali, dependendo da emoção em que ele se encontrava. Era um processo criativo e ele adororava isso. Do anoitecer ao amanhecer, ele criava sons, melodias, e harmonias. Foi uma sagrada experiência que eu vivi. Eu aprendi muito ao seu lado.

Q: Em que estúdios gravavam naquela época?

F: Gravamos em vários estúdios. Às vezes, em Nova York, às vezes, na Califórnia. Passamos muito tempo no rancho. Na verdade, a escolha do estúdio dependia essencialmente do local onde ele se encontrava geograficamente falando. Nós passamos por Hit Factory, em Nova York, e de memória… “Record One”, em Los Angeles. Foi utilizado também o estúdio de John McClain e gravamos em Neverland.

Q: Há algumas sessões de gravações em Neverland, que foram utilizadas na mistura final de uma das canções?

F: No que diz respeito às minhas gravações, foram todas de grandes estúdios. Mas ele gravou canções com outros produtores em Neverland. Infelizmente, não posso lhe dizer exatamente quais são essas cançõess. Ah sim, lembro-me de uma música que está presente em seu último álbum. É chamada de “Hollywood” Eu acredito, e eu lembro-me que ele tinha trabalhado sobre ela em Neverland.
Q: Então, ele trabalhou em outros projetos quando você estava lá?

F: Sim, ele estava trabalhando em outras músicas. Às vezes ele pedia minha opinião. Eu cheguei por vezes a colaborar um pouco com ele. Mas bom, eu não estava sozinho. Havia alguns outros produtores que estavam com ele também.

Q: Quando você terminou as sessões com ele, você sabia que tinha acabado ou você esperava que ele o voltasse a chamar para trabalhar em outras canções?

F: Desde que começamos a gravar juntos, eu sabia que eu iria me dedicar totalmente. Eu não iria trabalhar com outra pessoa sem ser Michael. Eu tinha-lhe prometido nunca trabalhar com mais ninguém. Era um trabalho a tempo inteiro: Eu trabalhei com ele durante anos. Eu estava no estúdio com ele pouco antes de sua morte.

Q: Você estava no estúdio com ele pouco antes de sua morte?

F: Na verdade, nós conversamos muito e nós estávamos prestes a entrar em estúdio. Para ser preciso, eu me lembro de ter ido vê-lo em sua residência em Las Vegas, e havia um estúdio lá. Foi pouco antes de ele nos deixar.

Q: Vocês gravaram alguma coisa?

F: Não, nada foi gravado, só trocamos ideias. Estávamos prestes a iniciar as sessões de gravação: estavavamos prontos e a preparar o material para o estúdio. Eu lhe propus uma nova canção que eu tinha escrito especialmente para ele. Ele amava-a muito, queria, grava-la mas ele morreu.

Q: Vocês falaram sobre seu futuro álbum? Ele disse-lhe quando é que ele iria ser lançado?

F: Não, nunca abordamos esta questão.

Q: Voltemos a “Blue Gangsta”, você teve a idéia de o acordeão e os assobios à Ennio Morricone?

F: Sim. Eu tive a idéia dos assobios, vem do filme “Le bon la brute et le truand” [ele assobia a melodia ao telefone]. Como eu já disse, eu queria fazer um novo “Smooth Criminal”. Era o nosso objetivo: ” O novo Smooth Criminal.”

Q: Você se lembra de sua impressão quando se encontraram pela primeira vez? Ele era como você imaginava? Você ficou surpreendido ou desapontado com a personagem?

F: Eu sabia que Michael era o das pessoas mais humilde que se podia encontrar. Ele era o meu melhor amigo, o encontro mais lindo da minha vida. É um pouco como ter um encontro com o Capitão Kirk, francamente, quem não conhece o capitão Kirk? Este personagem de ficção é legal, simpático e um cara elegante. Bem, Michael era um pouco assim. Como você pode imaginar, eu sou um verdadeiro fã de Star Trek, e é por isso que eu falo do Capitão Kirk … Conheçer Michael, era um pouco como se eu tivesse conhecido o Capitão Kirk, foi simplesmente inacreditável. Hoje, já não existem mais estrelas com a mesma aura. Fiquei realmente surpreso quando o conheci e meus pais estão muito orgulhosos de mim: eu não só consegui trabalhar com o Rei do Pop, como não se limitou a uma mera relação profissional. Tornei-me seu amigo, seu melhor amigo. Eu o amo até a morte, até hoje. Éramos como irmãos, muito perto, então sim, para resumir, o meu encontro com Michael, foi como se eu tivesse amizade com o Capitão Kirk!

Q: Michael é universalmente reconhecido como o maior dos artistas. Você o conheceu e se tornou um de seus amigos. Você tem alguma história engraçada sobre ele, que nós não saibamos?

F: Era incrível, um gênio. Ele era um anjo, é também por isso que seu nome era Michael. Sim, foi realmente um anjo.

Q: Ele pedia material expecífico para as gravações, como por exemplo, microfones ou instrumentos precisos? Ele fez exigências especiais?

F: Não, ele não se importava tanto que parecesse bom. Ele poderia cantar qualquer coisa em seu celular e gravar desse jeito, ele não se incomodava porque era uma boa melodia num cabo de alimentação.

Q: Você se lembra do microfone usado para “Break Of Dawn”?

F: Não. Não era assim nos estúdios … É uma pergunta que você deve fazer para os engenheiros de som: cada um tinha seu próprio equipamento e não me lembro exatamente o que eles tinham.

Q: Quais foram os engenheiros que participaram nas vossas sessões de gravação ?

F: De memória, houve Prince Michael, Brad e Mike Dean Buxer. Houve também Bruce Swedien, é claro. Eu não trabalhei diretamente com ele, mas eu o conheço muito bem, é muito legal. Outro gênio.

Q: Será que ele finalizou algumas de suas canções, ou você finalizou tudo sozinho, incluíndo a mistura?

F: Há engenheiros que retrabalharam certas canções. Eu não sei quem fez a mixagem final. Devem perguntar a John McClain … Eu não sei quem trabalhava nessas músicas com Michael, eu não estava fisicamente presente.

Q: Qual é a coisa que mais o impressionou em Michael, artisticamente falando?

F: MICHAEL AMAVA SEUS FÃS, ele amava a sua música e adorava fazer música para seus fãs. Ele gostava de dar amor e alegria de viver, às pessoas. Era a sua missão. Ele era muito dedicado e leal. Era algo que queria fazer, ou que ele tinha de fazer. Ele amava as pessoas da profundeza da sua alma. E quando ele fazia essa música, ele fazia para nós.

Q: Qual é o seu álbum favorito de Michael?

F: Eu amo todos eles. Com Michael Jackson, é impossível ter uma música favorita ou álbum. No entanto, quando eu era criança, minha música favorita era “Rock With You”. Eu achei realmente surpreendente … Sim, foi definitivamente um dos meus favoritos.

Q: Você se lembra da sua última conversa com o Michael?

F: Eu estáva prestes a gravar o novo álbum e quando ele ouviu minhas canções, ele me disse para eu me despachar e lança-las o mais rapidamente possível no estrangeiro (exterior). Ele gostou das minhas novas produções. Esta foi a nossa última conversa. Ele me disse “eu te amo” e pronto… acabou.

Q: O que você quer dizer com “estrangeiro” a toda a hora?

F: A música que eu fiz agora, serão lançadas no estrangeiro. Eu sigo as instruções do Michael ao pé da letra. Ele me disse para pegar neste álbum, que eu estou fazendo agora e vendê-lo no exterior, E é isso que eu vou fazer. Você sabe, ele realmente sabia muito sobre negócios. Então eu sigo o seu conselho. Então, aqui está uma informação que eu lhe revelo em exclusivo: o meu álbum chega em breve!

Q: Quando sairá ele?

F: Nós temos em vista o lançamento do single na Primavera de 2011. Ele se chama “We Are The Robots”.

Q: Isso é ótimo! Obrigada por sua generosidade e por todo o tempo que você nos despensou. Desejamos boa sorte, para os seus projetos futuros.

F: Obrigado.

Fiquem bem, bjs.

Agradecimento à Quagmire, Bud, Dovido et Tristan du forum MJFrance.
http://mjfrance.com/actu/index.php?trackback/3235