Estudo pode explicar o motivo de gostarmos de certas pessoas e não de outras.

Getty Images

Uma pesquisa feita nos Estados Unidos indica que a amizade também tem motivações genéticas. O estudo, feito na Universidade da Califórnia, diz que grupos de amigos têm padrões genéticos parecidos, o que pode explicar o fato de nós gostarmos ou não de uma pessoa de modo praticamente instintivo.

A equipe do pesquisador James Fowler analisou seis genes do nosso corpo e procurou por variações em pontos específicos deles. Os dados foram comparados entre pessoas que eram amigas e outras que não mantinham qualquer relação.

Mesmo levando em conta fatores como raça, sexo e ancestrais comuns, os amigos tinham as mesmas variações nos genes, algo que não acontecia entre as pessoas que não mantinham uma relação de amizade.Os pesquisadores fizeram até uma ligação entre as funções dos genes e as atividades das pessoas.

Um dos genes analisados, chamado DRD2, está relacionado ao alcoolismo. Ou seja, para os cientistas faz sentido que pessoas com uma determinada variação ali sejam amigos, já que eles podem ter se conhecido no bar ou gostar de tomar um drink de vez em quando.

 Fowle diz que ainda é preciso estudar mais o assunto para saber se nós identificamos essas similaridades genéticas de modo consciente.

Fonte: R7.

Kelinha.