Olá,

A defesa do Dr. Conrad Murray lançou seus argumentos com base para a sua estratégia – que Michael Jackson administrou a dose fatal de Propofol – durante o interrogatório de um investigador do L.A. County Coroner’s. 

O advogado Murray, J. Michael Flanagan, fez duas perguntas para Elissa Fleak  sobre alusão à sua teoria:

1) Tinha as impressões digitais na bolsa de IV? e

 2) Era  possível Michael Jackson alcançar as seringas da cama?

Como já relatado em primeira mão pelo TMZ, a defesa vai argumentar que Michael Jackson ficou frustrado em não conseguir dormir naquele dia e aplicou em si próprio a dose fatal de Propofol que eventualmente o matou.

investigadora-elissa-fleak-depoe-na-audiencia-de-070111

Se Michael sofre do mesmo mal que eu há tempos, a insônia, ele sabe muito bem que tem dia que não adianta nada, então não seria no dia 25/06 que ele se desesperaria ao ponto de injetar em si próprio 150mg de anestésico sem que sentisse o corpo formigar e adormecer antes mesmo de terminar…

Ele já teria se desesperado logo no começo do problema e não depois de anos…

Isto não cola gente!!!

Lyllyan

Fonte: TMZ