Olá,

Bem feita, a cirurgia plástica pode transformar a vida de uma pessoa. Mas se o médico erra a mão, o efeito é devastador. Basta pensar nos exemplos clássicos que costumam entrar para lista das piores plásticas do mundo, como os cantores Michael Jackson e Cher, e os atores Mickey Rourke, Barbara Eden, Meg Ryan e Melanie Griffith.

Veja fotos das piores plásticas feitas pelas celebridades internacionais

A cirurgiã plástica Natale Gontijo, que faz parte da equipe de Ivo Pitanguy, afirma que o erro é sempre o exagero. Quando médico e paciente não respeitam fatores como a anatomia individual e buscam transformações radicais, o resultado é quase sempre ruim. O cirurgião Charles Sá, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), concorda.

“Antigamente, a filha queria se parecer com a mãe. Hoje é a mãe que quer se parecer com filha “

– Tem que existir uma coerência no número de cirurgias e um respeito pelas características de cada pessoa. Sem isso não há um bom resultado – afirma o médico.

As plásticas podem dar errado por vários motivos, alertam os especialistas. Escolher um bom profissional, que deve ser titular da SBCP, é fundamental para diminuir a chance de complicações.

O profissional tem que zelar no correto diagnóstico de cada caso, explicando as possibilidades reais, as limitações, os prós e contras de cada procedimento. Além disso, fará a cirurgia em hospital com centro cirúrgico adequadamente equipado e CTI, com anestesistas da sua confiança e equipe cirúrgica qualificada. Pedirá exames pré-operatórios e somente fará a cirurgia se o paciente estiver com os resultados bons – explica Natale.

Quem costuma fazer plásticas demais pode ter dismorfofobia, doença que não permite que ela perceba sua imagem corporal corretamente, alerta a médica. Neste caso, em vez de cirurgia, o ideal é buscar um tratamento psicoterapêutico.

Outras vezes, a plástica não dá o resultado esperado porque a região é difícil de mexer. Embora os cirurgiões afirmem que toda intervenção feita com um bom profissional seja segura, o exagero nas pálpebras, no nariz e na boca são facilmente percebidos já que as áreas ficam mais expostas e chamam mais atenção.

– A boca é uma área difícil de operar pelo risco de contaminação da saliva e por representar uma importante unidade estática da face, além de representar uma estrutura importante na fala, alimentação e nas relações afetivas – diz Charles Sá.

O cirurgião lembra que hoje as pessoas estão excessivamente focadas no corpo porque ele passou a exercer um papel importante nas relações sociais e no trabalho, mas o foco excessivo também pode indicar um desequilibrio emocional.

O corpo passou a ser fonte de orgulho, de prazer e de status social. Antigamente, a filha queria se parecer com a mãe. Hoje é a mãe que quer se parecer com filha. Existe um grupo de pessoas que vivem em busca da beleza perfeita e na tentativa de resgatar a beleza perdida pelo tempo. Creio que essas pessoas vivem uma crise interna da não aceitação e da negação de si frente ao tempo.

Qualquer cirurgia há risco de vida, e as plásticas se não forem feitas com um bom médico, o resultado pode ser realmente catastrófico… Se cuidem!!!

Lyllyan

Fonte: O Globo