Olá,

Em sua primeira turnê pelo país, o cantor diz que pretende aproveitar para conhecer músicos brasileiros para novos projetos
Por: André Sollitto

Desde que integrou o grupo The Commodores, nos anos 70, Lionel Richie passou a frequentar as paradas de sucessos. Ele vendeu mais de 100 milhões de discos graças a sua mistura de baladas românticas com canções dançantes. No ano passado, lançou o CD Just go. Em fevereiro, regravou, com artistas da nova geração, como Jonas Brothers e Justin Bieber, a canção “We are the world”, um clássico de 1985 escrito em parceria com Michael Jackson. Ele e sua banda se apresentarão em São Paulo (28/8) e no Rio de Janeiro (29/8).

QUEM É
Lionel Brockman Richie nasceu em Tuskegee, Alabama, em 1949

O QUE FEZ
Fez parte da banda The Commodores e vendeu mais de 100 milhões de discos

O QUE GRAVOU
Catorze discos em carreira solo e 11 com The Commodores 

ÉPOCA – Quando você decidiu regravar a balada “We are the world”?
Lionel Richie –
Sempre conversei com Michael Jackson sobre nunca deixar a canção ficar velha. Pouco antes de morrer, Michael decidiu comigo que regravaríamos na comemoração de 25 anos da música. Ironicamente, o desastre no Haiti aconteceu e nos deu a chance de gravá-la em prol de uma causa.

ÉPOCA – Como foi trabalhar com tantos novos artistas?
Richie –
Foi ótimo, porque, com exceção de Barbra, Quincy e alguns outros, todos os músicos que estão na nova gravação eram crianças na época que “We are the world” foi lançada. Ligamos para todos eles, como Snoop Dogg e Kanye West, e perguntamos se queriam fazer parte da gravação. Eles toparam na hora e ficaram animados com a possibilidade de fazer parte dessa canção histórica e, mais importante, emprestar suas vozes para uma causa maior. Foi maravilhoso ter esse entusiasmo na música.
ÉPOCA – Falando de seu novo disco, você tentou atrair um público mais jovem, ainda não familiarizado com sua arte?
Richie –
Sempre. Tento seguir novos caminhos, mas sem me afastar de quem eu sou. Foi interessante para mim trabalhar com músicos como Akon e Ne-Yo, pensando: “Como Lionel Richie soaria em 2010?”.
ÉPOCA – O que você espera de seus shows no Brasil?
Richie –
Esperei demais para cantar no Brasil. Uns 15 anos! Sabe, vou aproveitar essa viagem para fazer minha pesquisa. Pretendo conhecer alguns músicos, sair com outros, criar relacionamentos para, quem sabe, cantar com eles. Estou indo ao Brasil para fazer minha lição de casa. Quero conhecer o máximo de artistas que eu conseguir.
ÉPOCA – Que artistas você costuma ouvir? Quais são as bandas mais improváveis que você escuta?
Richie –
Acredite ou não, U2 é uma das minhas bandas favoritas. Green Day também. Os rappers que mais amo são Jay-Z e Snoop Dogg. Gosto de Kid Rock também, por seu estilo mais country. Engraçado que fiquei chocado quando Marilyn Manson declarou ser um grande fã de Lionel Richie. Mas acho que Green Day é a mais improvável.
ÉPOCA – Você já tem planos de lançar um novo disco?
Richie –
Sim, devo gravar no começo do ano que vem. Será uma versão country de Lionel Richie. Nasci e cresci no sul, então a música country é algo bastante natural para mim, tão natural quanto cantar rhythm and blues. Faz parte das minhas raízes.
Lyllyan
Fonte: Revista Época