Olá,

Sua rendição do tema de Michael Jackson “Billie Jean” é, na minha opinião o melhor cover de Jackson já registrado. Como você decide a abordagem a este problema e como você respondeu a sua morte, no verão passado?

“Como muitas pessoas no mundo, eu amei “Thriller”. Mas, “Billie Jean” me fez chorar. Lembro-me de pensar “Eleanor Rigby” a primeira vez que ouvi-lo. A tonalidade menor em que é jogado, o fraseado melancolia – e bassline. As palavras soam muito sugestivo, com todas essas fotos de uma pista de dança e essa garota com seu bebê. “

“Há uma velha canção de carnaval brasileiro chamado “Nega Maluca” (“Black mente”), que conta uma história sobre uma mulher que aparece com um bebê nos braços e diz que a cantora é seu pai. Eu comecei a cantar e tocar na guitarra e misturado com “Billie Jean”, mantendo o ritmo constante de samba. Fiquei tocado. No final, cantou o refrão de “Eleanor Rigby”. Pensei no personagem de Michael Jackson: “Ah, olhe todas as pessoas solitárias.”

“Eu também gosto do jeito que eles filmaram ela. Acho que perdi algumas das palavras. Quando Michael morreu, eu estava irritado com a obstinada de alguns dos seus mistérios. Mas eu tinha de se acalmar e tentar confortar o meu filho de 12 anos de idade, que estava chorando muito triste: Michael adorado e os Beatles. Mostrei um vídeo no youtube * meu cantar “Billie Jean”. Eu respeito isso, mas não parece. Fiquei espantado com o quanto eu gostei mesmo.”

Gosto muito de Caetano…

Abs.

Lyllyan

Fonte: The Washington Post