Olá,

Durante uma conferência de imprensa no Golden Radisson Sands Resort no dia de ontem, 13/04/10, La Toya Jackson explicou que ela passou pela Europa, para promover um creme para as mãos de luxo quando foi convidada por Stefano Cecchi para receber um prêmio em nome de Michael Jackson.

Para ler sobre o lançamento do creme, clique aqui: 

La Toya diz: “Eu acredito que o Dr. Conrad Murray é o responsável pela morte dele, mas outras pessoas também estão envolvidas neste processo. Isso são definitivamente uma conspiração e outras pessoas devem ser levados à justiça. Dr. Conrad era simplesmente o bode expiatório – o ‘cara’ que disse para ele fazer isto com Michael. Michael valia mais morto do que vivo. Eles sabiam o que tinha que ser feito para isto acontecer. Eles também sabiam que ele não era capaz de fazer 50 shows”.

“É uma tragédia, porque hoje ele deveria estar aqui conosco. Eu perdi um irmão maravilhoso, amável, carinhoso, lindo, seus filhos perderam um pai incrível e o mundo perdeu alguém que nunca poderá ser substituído”. 

Ela disse que a força da família deriva das manifestações de luto em todo o mundo, mas, ao mesmo tempo em que ainda dói muito e há uma sensação persistente de vazio.

Questionada sobre o prêmio em si, La Toya Jackson disse que esses prêmios significam que existem pessoas lá fora que ainda o ama muito.

“Eu amo o fato de que as pessoas estão muito interessadas nele e acredito que estarão sempre. Isso de certa forma o manterá vivo. Todos os membros da família querem manter seu legado vivo. Quando eu recebo os prêmios entrego para seus filhos colecionarem.” 

La Toya descreve os últimos meses como “uma luta de todos”, porque era difícil de entender que “ele não está mais conosco”. Ela, pessoalmente, prefere pensar e fingir que ele ainda está aqui porque este é o jeito que ela quer para amenizar tudo isso agora. 

Ela acredita que os filhos de Michael estão lidando muito bem, eles passam muito tempo com os seus primos o que ajuda muito além da ajuda pessoal que cada um recebe.

Abs.

Lyllyan

Fonte: The Malta Independent