Michael Jackson e Eddie Van Halen e a história da música “Beat It”


Michael Jackson & Eddie Van Halen: nos estúdios de Westlake, em Los Angeles, Califórnia, 1982.
 

Por Ricardo 5150, Simon Holanda e Wikipedia

Em 1982, Michael Jackson lançou o disco pop mais bem sucedido em toda a história. Até hoje, foram vendidas mais de 50 milhões de cópias do disco “Thriller” mundo afora. Este álbum produziu nada menos que 07 hit singles que levaram a outra quebra de recordes: este é o disco mais premiado da história da discografia. No caso específico da Comunidade Van Halen, o que interessa discutir é a participação de Eddie Van Halen na gravação do solo de guitarra da música “Beat It”. 
 
 
 
Michael Jackson – Thriller (1982).

O convite para gravar tal solo partiu do Sr. Quincy Jones, produtor do disco e famoso músico no cenário da música negra americana e que também havia produzido o disco anterior de Michael, “Off The Wall”. A música “Beat It” foi feita por Michael Jackson (letra e música) a partir do desejo de Michael em criar uma música um pouco diferente dos padrões por ele adotados até então. Seu esboço foi mostrado ao Sr. Jones que logo de cara gostou muito do que ouviu. Grande parte do disco “Thriller” contou com a colaboração do guitarrista Steve Lukather, amigo pessoal do Eddie Van Halen. Foi por indicação de Steve que Quincy Jones ligou para a casa de Eddie e o convidou para participar de uma música do novo disco do Michael Jackson.

Contato via telefone:

Triiim! Triiim! (Toca o telefone na casa de Eddie Van Halen).
- Alô? – pergunta o Sr. Quincy Jones.
- Alô! – responde Eddie Van Halen.
- Alô?
- Alô!
- Ligação errada! (E Eddie desliga o telefone). Tem sempre alguém ligando aqui em casa!” – eis o seu comentário.
Triiim! Triiim! (Novamente toca o telefone).
É melhor que seja algo de verdade desta vez” – esbraveja Eddie.

- É o Eddie? É o Quincy, cara!
- Que Quincy? O que é que você quer, seu idiota? (“You Fucking Asshole”).
- Rapaz, é o Quincy Jones, o produtor musical!
- Meu Deus! Me perdoe, Quincy! Qual é o problema?
- Veja, o Steve Lukather me pediu para ligar para você e perguntar se você poderia participar da gravação de um solo de guitarra numa música que eu estou produzindo para o novo disco do Michael Jackson!
- Caramba, o Steve é um amigão! Bom, vou ver o que eu posso fazer. Me dê seu telefone aí!

Eddie fica meio pensativo em sua casa: “o pessoal da banda não gosta muito de trabalhos fora do Van Halen. Mas o Al está fora da cidade; o Dave viajou mais uma vez para a Amazônia e o Mike está com a família na Disneylândia. Eu vou fazer esse favor. Vou me divertir e NINGUÉM jamais saberá que eu gravei um solo numa música do Michael Jackson. Vai ser legal.”

Eddie liga para o engenheiro de som e amigo, Donn Landee e eles acertam a ida até um Estúdio em Hollywood, onde estavam acontecendo as sessões de gravação do disco “Thriller”. Chegando lá, eles encontram uma música bem legal e quase pronta. Quincy Jones pede para ele ouvir, sugerir, tocar, fazer o que ele quiser, pois a opinião de Eddie seria de grande importância.

- Olha, a música é muito legal! Mas o ponto em que vocês querem o solo é meio morto! Será que a gente não poderia editar isso para eu solar em cima da baseboom boom bomp, boom boom bomp”? (Referindo-se à guitarra base que antecede o solo). Assim, eu poderia solar num trecho em que há mudanças nas cordas! Ficaria bem melhor!

- Ok, Eddie. Deixe-me editar algo! – responde o Quincy Jones.O Eddie leva sua guitarra Frankenstrat e realiza 2 takes. Quincy agradece muito.

2 takes que mudaram a música:

Segundo consta, o segundo take do solo de “Beat It” é que foi utilizado no disco. Como o Eddie pediu para se fazer algumas mudanças na música, o Steve Lukather e o Jeff Porcaro tiveram que quebrar a cabeça, juntos com o Quincy Jones, para reorganizarem a música e colocarem a devida sincronia.Ainda no estúdio, após os 20 minutos de sua participação no disco, o Eddie ouve o seguinte comentário do Michael Jackson, tendo um pequeno macaco agarrado a ele:

- I really like that high fast stuff you do, Eddie! – diz Michael.
- Thank´s a lot, Michael! – responde Eddie.

Pouco antes do lançamento do disco “Thriller” em Novembro/1982, o Eddie recebe em sua casa uma carta de agradecimentos do Quincy Jones, que no final assina como: “The Fucking Asshole“.Em 1984, Eddie Van Halen dá a seguinte declaração para a Revista Rolling Stone acerca da gravação do solo e porque não cobrou nada pela participação: “eu fiz todo o trabalho em “Beat It” como um favor. Eu não quis nada. Talvez o Michael me dê algumas lições de dança, pois nisso eu sou bem ruim. Eu fui um completo idiota, de acordo com os meus bandmates e o empresário da banda. Mas eu achei que NINGUÉM jamais saberia que eu havia participado de um disco do Michael Jackson. Só isso. E eu me diverti, e isso é o que realmente importa”, disse o guitarrista.

 
The Jacksons Tour – Victory Tour (1984)
 
A Victory Tour foi uma turnê de apresentações do grupo estadunidense de Pop/R&B The Jacksons, que percorreu os Estados Unidos e o Canadá de julho a dezembro de 1984, sendo a maior e última turnê do grupo. Também marcou a despedida de Michael Jackson do grupo e a reaproximação de Jermaine, que não cantava com os irmãos há 8 anos. Com 55 concertos e uma audiência estimada em 2 milhões de pessoas, a Victory Tour arrecadou 75 milhões de dólares e estabeleceu um novo recorde como a turnê mais rentável da história, na época.

Em 6 de julho de 1984, quando tiveram início as apresentações da turnê, o álbumThriller”, de Michael, já havia vendido 12 milhões de cópias só nos Estados Unidos, assim como quatro milhões de compactos. Apesar de levar o nome do álbum dos Jacksons lançado pouco antes do início da maratona de concertos, Victory, os irmãos não cantavam nenhuma música do lançamento durante as apresentações, focando nos sucessos dos álbuns solo de Jermaine e claro, Michael, que era o grande atrativo dos shows.Durante o último concerto da turnê, realizado em Los Angeles, em 09 de dezembro de 1984, no Dodger Stadium, Michael Jackson anunciou que estaria deixando o grupo para se dedicar exclusivamente à carreira solo, onde se prepararia para trabalhar em seu mais novo álbum solo – Que se chamaria Bad, e seria lançado três anos depois, em 1987.

Polêmicas:

O promotor da turnê original era Chuck Sullivan, o filho do proprietário do New England Patriots Billy Sullivan. Os ingressos que eram então vendidos por US$ 30 (um preço absurdamente caro para a época. Para se ter uma ideia, normalmente durante a década de 80, ingressos para shows nos EUA, não passavam de US$ 20), e só podiam ser adquiridos em lotes de no mínimo 4. Mas o lado empresarial da turnê foi atormentado por problemas, mesmo depois de Don King assumiu como empresário e promotor da tour.

Em 5 de Julho de 1984, após receber uma carta da fã, LaDonna Jones, uma menina de 11 anos, na qual ela acusa os Jacksons e os promotores de serem “egoístas e só se importarem com os altos lucros“, Michael organizou uma conferência de imprensa para anunciar as mudanças na organização das vendas, e também para anunciar que a sua parte dos lucros da turnê seria doado à caridade. Jones depois recebeu tratamento VIP no concerto na cidade de Dallas, no estado americano do Texas. A seguir é a fala de Michael em uma conferência de imprensa em 5 de Julho de 1984, um dia antes do primeiro show da Victory Tour:

Começaremos nossa turnê amanhã e eu queria falar com vocês sobre algo de grande preocupação para mim. Temos trabalhado muito tempo para fazer este show o melhor que pode ser. Mas sabemos que muitas pessoas estão tendo problemas para adquirir os ingressos. Outro dia recebi uma carta de uma menina do Texas, chamada LaDonna Jones. Ela tem economizado seu dinheiro para comprar um bilhete, mas com o sistema atual da turnê, ela tem que comprar quatro ingressos e ela não tem condições para isso. Então, eu perguntei ao nosso promotor para elaborar uma nova forma de distribuição de bilhetes, de forma que não requer uma ordem de dinheiro $120,00. Também houve muita conversa sobre o dinheiro explorado por promotores de não venderem os bilhetes. Pedi a nosso promotor para terminar o sistema de correio de bilhetes o mais rápido possível, para que ninguém ficasse sem bilhetes. Finalmente, o mais importante, há outra coisa que eu vou anunciar hoje. Eu quero que você saiba que quando eu iniciei essa turnê, eu decidi doar todo o dinheiro que eu ganhasse para a caridade” – Michael Jackson

Depois, os procedimentos foram modificados, mas todas as vendas continuaram a ser feitas por correio (com exceção dos seis shows finais no Dodger Stadium, onde os bilhetes foram vendidos através do Ticketmaster). Ingressos eram tipicamente disponibilizados apenas uma semana a dez dias de antecedência, e muitos ingressos acabaram nas mãos dos cambistas. Não houve walk-up de vendas, que culpou os irmãos pela pequena porcentagem de negros entre o público dos shows, em que ele descreveu como “90% branco“. Um problema relacionado é que a programação da turnê foi caótica: nas palavras de Michael “nunca ninguém sabia onde estávamos indo tocar“.

 
The Jacksons Tour – Victory Tour (Set-List):
 
1. “Wanna Be Startin’ Somethin’”
2. “Things I Do For You”
3. “Off The Wall”
4. “Ben”
5. “Human Nature”
6. “This Place Hotel”
7. “She’s Out Of My Life”
Jermaine Jackson Medley (Com MJ)
8. ‘Let’s Get Serious’
9. ‘You Like Me Don’t You’
10. ‘Tell Me I’m Not Dreamin
The Jackson 5 Medley
11. ‘I Want You Back’
12. ‘The Love You Save’
13. ‘I’ll Be There’
14.”Rock With You”
15. “Lovely One”
16. “Working Day And Night”
17. “Beat It”
18. “Billie Jean”
19. “Shake Your Body (Down to the Ground)”
 
Curiosidades:
 
Várias celebridades notáveis ​participaram de vários shows, como: Emmanuel Lewis, Cindi Lauper, Steven Spielberg, Quincy Jones, Eric Estrada, Andy Warhol, Sir Paul McCartney, Julian and Sean Lennon, Yoko Ono, Prince, Bruce Springsteen, Diana Ross, Lionel Richie, Smokey Robinson, Billy Joel, Brooke Shields, Eddie Van Halen, David Lee Roth, Mick Jagger, Keith Richards, James Brown, and Chuck Berry.
 
The Jacksons Tour – Victory Tour (Fotos):
 
 
 
 
 

A participação de Eddie Van Halen na turnê dos Jacksons em 1984. 

Solo de ”Beat It”:
 
 
Crédito : van-halen5150.
 
 
Muito bacana essa história,como sempre Michael a concertar tudo,rs.Agradeço ao site Van Halen por ter postado este material,afinal,é sempre importante saber à historia sobre a criação da música e sem contar que amo está música,rs.Quem não sabia,tomará que tenha gostado e para quem já sabia é bom relembrar.
 
Carol.
About these ads
    • Flávia Cavalcante
    • 13 fevereiro, 2013

    Cara que foda saber que David Lee Roth já participou de um show do Michael!!! Ouvi por aí que ele teria ficado puto com o Eddie por ter gravado com o Michael…

  1. Trocaram as bolas, Beat It é composição de MJ.
    Off The Wall é composição de Rod Temperton.

      • kelly Carolina
      • 18 junho, 2011

      Ok,valeu Whatever.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 56 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: